O abraço que damos.

É meu pra você,
em 23 de setembro de 2012.

Todo mundo tem um tipo de amigo. Eu tenho um amigo que abraça gostoso.

Simples assim, lá vem ele, matinal ou vespertino, com aquele par de braços sorridentes, escancarados e escandalosos esperando que eu me jogue ali dentro. Me jogo e fico ali, apertada, nas curvas daquele abraço, naquele intercâmbio que não sei mais de quem são as linhas, não sei qual alma é a minha.

Seu abraço é entrega de um pouco dele e de um tanto de mim. É quase uma confissão, um testamento da amizade, é uma porta aberta. O abraço dele é colo e rede. Meu pouso.

Abraça quem tem pra dar, quem tem casinha grande demais para receber hóspede com bolo e chá; só abraça quem tem demais de si toda hora.  O abraço não é mérito da fofura alheia, não é merecimento alheio. Abraço é grandeza de quem o oferece, é amplitude de terreno, é doação, é alma que transborda, é encher o pote.

Abraço bom é sem tempo pra acabar, é começo de dia, é recarga da emoção. É ser compreendido no outro, é ser depositado. Abraço é  receber e acolher. É coisa gostosa de trocar, de se jogar no outro e ali se amalgamar. É a troca de alma, de peito, de entrar na alma e ali ficar acolhida por um tempinho sem pressa, lembrando que a vida é isso – o outro, do outro, com o outro.

Abraço é abraço que se quer dar. É um convite para a alma repousar, para sossegar. É desejo de permanecer ali para sempre e ganhar calor. É desejo de oferecer a nossa alma para ser colo do outro. Abraço é coisa de amigo, de gente que convive junto, de gente que cuida, de gente que quer cuidado, de gente pequenininha, de gente fofa, de gente mais velha, de amantes, de amores. É sossego e é turbilhão. Abraço não é vergonha. Deitar no outro não é fraqueza.

Fraqueza é beijo abreviado na mensagem, é rosto com rosto e beijo no vento. É encurtar o abraço para terminar logo aquele momento. É aquela coisa meio de lado que a gente costuma dar por aí nos outros,  aquela coisa meio incômoda, meio gêmeos siameses que se preterem. São quase um nojinho esses abraços, é quase um “não se troque nunca em mim”.

Fraqueza é também daquela coisa magrela que a gente tem até medo de quebrar, aquela coisinha rápida de segundos, nas costas ossudas, da qual descolamos logo com um medo danado de se entregar demais, de depender demais e ficar de saia curta, vulnerável para quem não irá segurar a queda.

Abraço não. É pegar, roubar o outro do mundo por segundos e tomar pra si. É deitar o rosto no ombro, é desenhar o corpo do outro no meu, é grude e é deságue.

Todo mundo tem um tipo de amigo. Eu tenho um amigo que abraça gostoso igual sorvete de doce de leite. Que gruda e é bom. Que fica na roupa, no cheiro, na saudade. Eu tenho um amigo que não poupa nada de si, tem demais pra dar.

E, é nessa saladinha de alma que a gente faz, é que me sorrio, me abro, dou bom dia ao mundo. É nesse pote individual de sorvete que ele me deixa entrar no que é dele e eu danço ali mesmo, no meio da sala, no meio de todo mundo, perdida num abraço que só um amigo que abraça gostoso pode dar: um pedaço de si para mim, em mim.

De quem sempre vai adorar seus abraços,

Anúncios
This entry was posted in Blogroll by Tâmara Abdulhamid. Bookmark the permalink.

About Tâmara Abdulhamid

palestina, engenheira e blogueira… …mas, é muito injusto uma vida inteira para viver e me definir por linhas. Por isso, espalho pedaços de mim em vocês, nas linhas, naquilo que invento e chamo de amor. Por isso existe o café. Para que você entre, me abrace, se aconchegue, converse e deixe o amor acontecer. De qualquer jeito, do jeito que couber, do jeito que for.

One thought on “O abraço que damos.

  1. Tâmara…minha amiga…esta poesia me transportou ao passado e presente….me fez querer estar junto deste alguém de quem AMO abraçar e mesmo que eu abraço, fica aquele gostinho de….QUERO MAIS…kkkkk. Dá mesmo vontade de entrar no pote deste sorvete, de sabor insaciável “É nesse pote individual de sorvete que ele me deixa entrar no que é dele e eu danço ali mesmo, no meio da sala, no meio de todo mundo, perdida num abraço que só um amigo que abraça gostoso pode dar: um pedaço de si para mim, em mim.” ….. Amei…me identifiquei com cada palavra…..kkkk

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s