partir.

“Não dá mais pra voltar
E eu nem me despedi
Onde é que eu vim parar?
Por que eu fiquei tão longe?”
(Arnaldo Antunes)

Para Ana, era morrer partir. Era querer desistir, fugir, voltar pros braços, morrer no abraço.

Era vazio ir. Ficar à espera de não-sei-o-quê, engolir as lágrimas e fingir forças. Fingir gostar, fingir valorizar, fingir e fingir e fingir mais um pouco, morrer aos poucos e dar esmolas de seu esforço.

Voltar as costas e prosseguir era um suicídio. Como se o abismo estivesse ali atrás, como se a vida houvesse de aparecer, assim, de repente. Aquela vida cansada, aquela vida sem querer.

E partia. Com os olhos marejados, embriagada de dor e de saudades. a olhar os outros, a tentar ver aqueles outros embaçados bem diante de si. Via tantos outros felizes e tantos sorrindo aberto. Tantos plenos, tantos planos. E Ana fingindo ser livre. Ana se partia.

Que descontente ser inteligente. Abraçava o mundo com as pernas e saltava de peito e sorriso abertos, mas de coração cerrado. Que bonito ser inteligente – que bonito, minha gente! Viver matando leões, viver em prisões, em cárceres particulares, em sons despertadores.

Não dormia, não comia. A menina gemia – de dor – pela falta que faziam aqueles a quem deixou, pelo buraco do estilhaço, pelo câncer de viver só correndo atrás do que não era seu. Não era seu, era isso, e compreendeu que aqueles leões não podia matar. Que o mundo sorria por sorrir, mas quando chorava, o mundo se virava e lhe assistia partir.

Era preciso partir, mas nem sempre era preciso querer. Era se despedaçar e não ter cola para grudar, não ter forças para ir. Aos poucos, morria Ana partida em vários. Era morrer partir.

Anúncios
This entry was posted in Blogroll by Tâmara Abdulhamid. Bookmark the permalink.

About Tâmara Abdulhamid

palestina, engenheira e blogueira… …mas, é muito injusto uma vida inteira para viver e me definir por linhas. Por isso, espalho pedaços de mim em vocês, nas linhas, naquilo que invento e chamo de amor. Por isso existe o café. Para que você entre, me abrace, se aconchegue, converse e deixe o amor acontecer. De qualquer jeito, do jeito que couber, do jeito que for.

5 thoughts on “partir.

  1. De novo a história germina… e de novo poética. e de novo profética.

    “Tem que morrer pra germinar / ressuscitar do chão
    Dura caminhada / Morre e nasce trigo / vive e morre pão”
    G.Gil

    • é, amigo meu.
      morrendo para nascer, perdendo para crescer, doendo para ganhar. um recomeçar eterno.
      a ciclicidade é um facilitador da profecia.

      beijo,
      da miss.

  2. Caminhante, são teus rastros
    o caminho, e nada mais;
    caminhante, não há caminho,
    faz-se caminho ao andar.
    Ao andar faz-se o caminho,
    e ao olhar-se para trás
    vê-se a senda que jamais
    se há-de voltar a pisar.
    Caminhante, não há caminho,
    somente sulcos no mar.

    (Antônio Machado)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s